9 de Abril de 2012

A ESCALA HARMÔNICA DOS AROMAS



A Música da Natureza Inclui
Outros Elementos Além de Sons


Helena P. Blavatsky


“O fato é que - como tem sido observado
tantas vezes - o sonho de uma geração é a
 experiência prática da geração seguinte.”

(H. P. B.)


Nota Editorial de 2012:

O artigo a seguir foi publicado pela primeira vez em “The Theosophist”, na Índia, em Agosto de 1882, pp. 283-284. C. Jinarajadasa o inclui como  Apêndice C  na sua compilação das Cartas dos Mahatmas. [1]

De acordo com a teosofia, a  música ou vibração harmônica que permeia toda a natureza em nosso planeta  inclui não só sons, mas cores, aromas, e níveis ou modos de consciência.

Fundamentalmente, esta lei da vibração universal opera não só no ambiente terrestre, mas em nosso sistema solar e além dele. Quanto à correlação que há entre os diferentes aromas, assim como entre todas as vibrações da vida e da natureza, um Mestre de Sabedoria escreveu em 1882:

“Acabo de ver um artigo sobre o olfato escrito por um professor inglês (que farei com que seja comentado no ‘Theosophist’ e sobre o qual direi algumas palavras) e descobri nele algo que se aplica ao nosso caso. Assim como, na música, dois sons diferentes podem formar parte de um acorde e ser distinguíveis separadamente, sendo que esta harmonia ou dissonância depende das vibrações sincrônicas e períodos complementares, do mesmo modo há um rapport [relação] entre o médium e a ‘entidade’, quando as suas moléculas astrais se movimentam harmonizadamente. E a questão sobre se a comunicação refletirá mais a  idiossincrasia pessoal de um ou de outro  é determinada pela  intensidade relativa dos dois conjuntos de vibrações na onda composta no Akasha.” [2]

Dois exemplos de uso sistemático da vibração superior dos aromas são a ciência antiga e moderna da aromaterapia, e a tradicional utilização de incenso durante a prática da oração e da meditação.

( Carlos Cardoso Aveline)


A Escala Harmônica dos Aromas

Helena P. Blavatsky


O velho provérbio segundo o qual “a verdade pode ser mais estranha que a ficção” foi, mais uma vez, confirmado. Um cientista inglês - o professor William Ramsay, da Universidade de Bristol - acaba de fazer uma comunicação na revista “Nature” (edição de 22 de Junho) abordando uma teoria que explica o sentido do olfato de um modo capaz de chamar muita atenção.

Como resultado de observações e experimentos, ele apresenta a ideia de que o odor se deve a vibrações similares às vibrações que dão origem à luz e ao calor, apenas com uma frequência mais baixa.

A sensação de odor, segundo ele, é provocada pelo contato de alguma substância com os órgãos terminais dos nervos olfativos, que estão espalhados como uma rede pela membrana mucosa na parte superior da cavidade nasal. A causa imediata da sensação de cheiro está nos minúsculos pelos da membrana nasal, cuja conexão com os nervos ocorre através de células que têm a forma de eixos. A sensação de odor não é provocada pelo contato com um líquido ou substância sólida, mas sempre com um gás. Mesmo no caso dos metais que possuem cheiro, assim como latão, cobre, estanho, etc., há um gás sutil ou um vapor pungente emitido por eles em temperaturas atmosféricas normais. As intensidades variadas dos cheiros dependem do seu peso molecular relativo. O odor se torna mais forte à medida que os gases aumentam em peso molecular. Quanto à qualidade do odor, o professor considera que ela provavelmente depende da escala harmônica da vibração.

“Assim, a qualidade do tom de um violino é diferente da qualidade de tom de uma flauta devido à diferença de escala harmônica ou dos sons secundários, que são específicos para cada instrumento. Eu atribuiria à escala harmônica a qualidade dos odores possuídos pelas diferentes substâncias (.....). O odor, então, pode ser semelhante ao som, já que a sua qualidade é influenciada pela escala harmônica. E, assim como um flautim tem a mesma qualidade que uma flauta, embora alguns pontos da sua escala harmônica sejam tão altos que estão além do alcance do ouvido, assim também os odores devem a sua qualidade à escala harmônica, sem a qual ficariam situados além da percepção.”

Dois sons, ouvidos ao mesmo tempo - diz ele -, ocorrem em consonância ou dissonância; no entanto o ouvido consegue percebê-los separadamente. A combinação de duas cores, por outro lado, produz uma só impressão visual, e nem sempre se pode analisá-la. “Mas o odor é semelhante ao som e não à luz neste aspecto. Porque numa mistura de odores, é possível, através da prática, distinguir cada ingrediente”; e - num experimento de laboratório -  é possível “obter sensação igual através da mistura de vários ingredientes”.  Aparentemente surpreso pela sua própria audácia, o professor formula “a teoria apresentada com grande cautela”. Pobre descobridor. O pé elefantino da Royal Society [3] pode esmagar os dedos dos seus pés. O problema, diz ele, deve ser resolvido “através de uma avaliação cuidadosa das ‘linhas’ no espectro dos raios de calor, e pelo cálculo dos elementos fundamentais que esta teoria supõe serem a causa dos odores.”

Talvez seja um alívio parcial para o professor Ramsay saber que ele não é o primeiro a percorrer o caminho que agora subitamente descobriu, e que leva desde o seu laboratório até a calçada da fama.  Foi publicado há pelo menos vinte anos na América do Norte um romance, intitulado “Kaloolah”. O autor é um certo Dr. Mayo, escritor bem conhecido. Entre outras coisas, o romance descreve uma estranha cidade, situada no coração da África, onde, em muitos aspectos, a população é mais civilizada e aperfeiçoada que os europeus de hoje em dia. Em relação aos aromas, por exemplo.

O príncipe daquele país, para agradar os seus visitantes - o personagem principal da história e os seus amigos - senta junto a um grande instrumento semelhante a um órgão, com tubos, registro, pedais e um teclado, e toca uma complexa composição, como num instrumento musical, mas na qual a escala harmônica é composta de aromas, ao invés de sons. E ele explica aos visitantes que, através da prática, o seu povo desenvolveu o sentido do olfato até um grau tão elevado de sensibilidade que, através de combinações e contrastes entre aromas, eles podem ter um prazer tão grande quanto a população européia sente ao ouvir uma “combinação de sons agradáveis”.

Fica bastante claro portanto que o Dr. Maio teve um conhecimento, se não científico, pelo menos intuitivo, desta teoria vibratória dos aromas, e que a sua gaita de aromas não é um mero produto da fantasia de um romancista, embora os leitores tenham pensado isso ao rir intensamente do gracejo.

O fato é que - como tem sido observado tantas vezes - o sonho de uma geração é a experiência prática da geração seguinte.  Se a nossa fraca voz pudesse, sem profanação, invadir um local tão sagrado como o laboratório da Universidade de Bristol, pediríamos ao Sr. Ramsay que desse uma olhada - apenas uma olhada rápida, a portas fechadas, e quando estiver sozinho – naquilo que diz a ... a.... (é preciso coragem para dizer este nome!) Ciência Secreta. (Foi difícil pronunciar este nome assustador; mas já o dissemos, finalmente, e o professor deve escutá-lo.) Então ele verá que a sua teoria vibratória é mais antiga que o romance do Dr. Mayo, já que os antigos indianos a conheciam, e ela faz parte da filosofia hindu sobre a escala harmônica da natureza. [4] Eles ensinavam que há uma perfeita correspondência ou compensação mútua entre todas as vibrações da Natureza, e uma relação extremamente íntima entre o conjunto de vibrações que nos dão a sensação de som, e o outro conjunto de vibrações que nos dão a sensação de cor. Este assunto recebe alguma atenção em “Ísis Sem Véu”.[5]

O adepto oriental aplica este mesmo conhecimento de modo prático, quando ele transforma qualquer cheiro desagradável no primeiro perfume delicioso que lhe vier à lembrança. E assim a ciência moderna, depois de rir durante tanto tempo das suas próprias piadas a respeito da credulidade infantil dos asiáticos, que acreditam nas histórias de fadas sobre os poderes dos seus Sadhus, agora termina por ser forçada a demonstrar a possibilidade científica daqueles mesmos poderes, através de experiências de laboratório. Os professores universitários da Índia deveriam lembrar sempre daquele tradicional ditado que afirma: “Ri melhor quem ri por último”.

NOTAS:

[1] “The Early Teachings of the Masters”, primeira edição, 1923. Edição facsimilar,   Kessinger Publishing Co., Montana, USA, pp. 237-240. O texto “The Harmonics of Smell” também está incluído no volume IV de “The Collected Writings of H. P. Blavatsky”, TPH, Wheaton, USA, 1991, pp. 177-179. 

[2] “Cartas dos Mahatmas Para A. P. Sinnett”, Editora Teosófica, Brasília, Volume I, Carta 68, item 3, pp. 299-300.  

[3] Royal Society - A Sociedade Científica que reúne cientistas e pensadores ingleses, desde o século 17.

[4]  A respeito da “escala harmônica da natureza”, ver também “From the Caves and Jungles of Hindostan”, H. P. Blavatsky, TPH, Wheaton, USA, 719 pp., 1975/1983, pp. 278-301. Um texto importante sobre este tema é “Occult or Exact Science?”, de H. P. B. Pode ser encontrado em “Theosophical Articles”, H. P. Blavatsky, Theosophy Co., Los Angeles, 1981. Ver volume II, pp. 46-74.  Também está incluído em “Collected Writings of H.P. Blavatsky”, T. P. H., volume VII, pp. 55-90.

[5] Ver “Ísis Sem Véu”, Helena Blavatsky, Ed. Pensamento, SP, volume II,  pp. 193-194 (entre outras passagens). Em inglês, “Isis Unveiled”, H. P. Blavatsky, Theosophy Co., Los Angeles, Vol. I, p. 514.

00000000000

O texto acima é reproduzido da edição de março de 2012 do boletim “O Teosofista”, cuja coleção completa pode ser encontrada em seção temática independente em www.FilosofiaEsoterica.com .


Para ter acesso a um estudo diário da teosofia original, escreva a lutbr@terra.com.br  e pergunte como é possível acompanhar o trabalho do e-grupo SerAtento.

000000000000000000000000000000000000000000000000000