17 de Maio de 2012

A VERDADEIRA AMIZADE



Para Voltaire, a Amizade é Inseparável da Sabedoria


Carlos Cardoso Aveline


O pensador iluminista Voltaire (1694-1778)



Às vezes a palavra “amizade” é usada de modo tão vago que não sabemos o que ela significa de fato para esta ou aquela pessoa.

O filósofo iluminista francês François Marie Arouet, mais conhecido como Voltaire, escreveu o seguinte:  

“Amizade é um contrato tácito entre duas pessoas sensíveis e virtuosas. Sensíveis, porque um monge, um solitário, pode não ser ruim e viver sem conhecer a amizade. Virtuosas, porque os maus não buscam mais que cúmplices. Os sensuais buscam companheiros de devassidão. Os interesseiros reúnem sócios. Os políticos congregam partidários. O comum dos homens ociosos mantêm relações. Os príncipes têm cortesãos.    Só os virtuosos possuem amigos.” [1]   

Assim, na realidade, amigo não é cúmplice e não é comparsa.

Quem engana os outros deve procurar ser um pouco mais inteligente e fazer um auto-exame honesto para ver-se livre deste problema, porque está, seguramente,  enganando sobretudo a si mesmo. Pretender ser mais esperto que os outros é prova de uma deficiência mental profunda, mal disfarçada pela astúcia de curto prazo.  A mentira, ainda que supostamente “bem intencionada”, faz o mentiroso perder a noção de realidade.

A base inevitável da sinceridade é o autoconhecimento. Só se pode ser amigo dos outros sendo, antes, amigo de si mesmo e do seu próprio eu superior.  Em sua origem, a palavra “filosofia” significa “amor à sabedoria”, e Voltaire acrescenta:  

“O filósofo é um amigo da sabedoria, ou seja, da verdade. Esse duplo caráter esteve presente em todos os filósofos. Não houve nenhum na Antigüidade que não desse exemplo de virtude aos homens e lições de verdades morais.” [2]            

Não é por acaso que o lema do movimento teosófico afirma: “não há religião mais elevada que a verdade”.  

A amizade é um privilégio exclusivo dos que dizem a verdade tal como a percebem. Para a prática da fraternidade universal - grande meta da evolução humana - cada um deve reaprender a ser sincero com todos  os outros.   


NOTAS:

[1]Dicionário Filosófico”, Voltaire, Ed.Martin Claret p. 23.

[2] “Dicionário Filosófico”p. 232.


00000000000000000000


Para ter acesso a um estudo diário de teosofia clássica, escreva a lutbr@terra.com.br e pergunte como é possível acompanhar  o trabalho do e-grupo SerAtento.

000000000000000000000000000000000000000000